Sexta, 04 de Dezembro de 2020 19:57
+55 11 94087-6185
Pandemia do Coronavírus Vacina

Vacina contra coronavírus: Pfizer anuncia que testes indicaram 90% de proteção

Uma das vacinas sendo testadas contra o coronavírus é, segundo uma análise preliminar de seus idealizadores, capaz de prevenir que mais de 90% das pessoas desenvolvam a covid-19.

10/11/2020 12h07
1.115
Por: Redação Fonte: BBC News
Brasil é um dos países participantes dos testes da vacina da Pfizer
Brasil é um dos países participantes dos testes da vacina da Pfizer

As fabricantes Pfizer e BioNTech descreveram a novidade nesta segunda-feira (9/11) como um "grande dia para a ciência e para a humanidade".

A vacina foi testada em 43,5 mil pessoas de seis países e, em setembro, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou que seus testes clínicos fossem ampliados no Brasil, de mil para dois mil testes em voluntários.

Segundo as fabricantes, nenhum problema de segurança na vacina foi levantado até o momento.

As empresas planejam solicitar, até o final deste mês, uma aprovação emergencial para uso da vacina, na expectativa de que a imunização ajude os países a reduzir as medidas de restrição de circulação em vigor.

 

Há cerca de uma dúzia de vacinas contra a covid-19 nas fases finais de testagem (chamadas de fase 3), mas essa é a primeira a apresentar resultados efetivos relacionados à prevenção. No Brasil, outra vacina em desenvolvimento, a CoronaVac, pelo Instituto Butantan, está justamente na etapa de investigar se ela é capaz de proteger contra a covid-19, depois de testes prévios terem indicado que ela é segura.

A vacina da Pfizer é diferente porque usa uma abordagem completamente experimental: envolve injetar parte do código genético do vírus de modo a treinar o sistema imunológico do indivíduo.

Testes prévios apontaram que a vacina treina o corpo a fazer tanto anticorpos quanto, em outra parte do sistema imune, as chamadas células T para combater o coronavírus.

São necessárias duas doses da vacina, com três semanas de diferença entre elas. Os testes (feitos, além do Brasil, em Alemanha, EUA, Argentina, África do Sul e Turquia) apontaram uma proteção de 90% depois da segunda dose.

No entanto, é importante destacar que ainda não se sabe qual a duração dessa imunidade.

As fabricantes afirmam que serão capazes de prover 50 milhões de doses ao final deste ano e 1,3 bilhão até o fim de 2021.

Mas há desafios logísticos importantes para isso: as vacinas precisam ser armazenadas em refrigeradores ultrafrios, a menos 80°C.

OMS: Notícia é boa, mas 'não vai virar o jogo'

Questionado pela BBC sobre o avanço, o enviado especial da OMS (Organização Mundial da Saúde) de covid-19, David Nabarro, afirmou que se trata de uma ótima notícia, mas que a vacina, "embora ajude, não vai virar completamente o jogo" na pandemia.

Ele afirmou que a vacina ainda terá de passar pelos processos regulatórios e que ainda há "muitos passos" antes que autoridades possam atestar com segurança que a imunização é "segura e eficiente", o que ainda pode levar alguns meses.

Nabarro também pediu que, mesmo que a vacina seja aprovada, as pessoas mantenham as medidas de segurança e isolamento social para impedir a circulação do coronavírus.

"Quero reforçar que esses princípios continuam sendo absolutamente essenciais mesmo que uma vacina chegue nos próximos meses", declarou.

Já o professor emérito de Medicina da Universidade de Oxford John Bell afirmou à BBC que a notícia lhe trouxe confiança de que a vida poderá voltar à normalidade na primavera do hemisfério Norte, ou seja, no final do primeiro trimestre do ano que vem.

Outro professor da mesma universidade, Peter Horby, afirmou que o anúncio desta segunda-feira o fez "sorrir de orelha a orelha".

"É um alívio. (...) Ainda temos um longo caminho até que as vacinas comecem a fazer uma diferença real, mas este parece ser um divisor de águas".

Resultados são preliminares

Os dados apresentados pela Pfizer ainda não são finais: são baseados nos testes com 94 voluntários que desenvolveram covid-19.

A porcentagem da eficiência exata da vacina pode, portanto, mudar quando os resultados completos forem divulgados.

As empresas afirmam que esses dados podem estar prontos nas próximas semanas, quando seria possível encaminhar a vacina para os órgãos reguladores.

Até lá, não é possível iniciar campanhas de vacinação nos países.

Gráfico mostra fase de testes das vacinas
Gráfico mostra fase de testes das vacinas

Em reação à notícia, as bolsas do mundo inteiro subiram a níveis históricos na manhã desta segunda-feira.

O índice britânico FTSE subiu 5%, em seu melhor dia desde março, e os mercados acionários da França e da Alemanha alcançaram marcas semelhantes.

Um dos destaques foi a alta nas ações de empresas aéreas, ante a perspectiva de que uma vacina possa permitir uma retomada do setor.

No Brasil, o Ibovespa estava em alta de mais de 3,5% na manhã de segunda.

 

Via: BBC News

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
São Paulo - SP
Atualizado às 19h40 - Fonte: Climatempo
21°
Muitas nuvens

Mín. 20° Máx. 32°

21° Sensação
20 km/h Vento
83% Umidade do ar
80% (10mm) Chance de chuva
Amanhã (05/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 18° Máx. 25°

Sol com muitas nuvens e chuva
Domingo (06/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 17° Máx. 23°

Chuvoso
Ele1 - Criar site de notícias